Premissas

Os principais conceitos e referências que estão presentes em nosso trabalho são:

1. MEDICINA HUMANISTA: metodologia em que o olhar do medico centra-se no paciente e na sua biografia, focando em suas possibilidades de cura.
  1. O ser humano é constituído pelo corpo físico, vitalidade, emoções e noética.
2. SAÚDE: capacidade do ser humano de, ao adoecer nestes quatro diferentes níveis, se curar.
  1. É a condição de sustentar, em todos os níveis, as escolhas feitas no cotidiano.
3. DOENÇA: é uma crise biográfica e também uma possibilidade de crescimento, evolução e aprendizado.
  1. Adoecer é estar restrito e em desarmonia com as escolhas.
4. DEPENDÊNCIA: condição na qual o indivíduo não consegue mais encontrar em si as forças necessárias para seu próprio desenvolvimento, buscando a sensação de plenitude em elementos externos, como substâncias químicas ou relações que não incluem trocas.
  1. Dependente é estar impedido de agir conforme a consciência.
5. GESTÃO DE SAÚDE: é apoiar o indivíduo dando-lhe suporte para que viva de maneira coerente com seus valores, aprendendo a se relacionar, a construir e ter metas, descobrindo o sentido delas no seu dia a dia.
  1. O autoconhecimento e a autonomia fazem com que a pessoa supere suas doenças.
6. BIOGRAFIA HUMANA: é um instrumento de diagnóstico que propicia ao indivíduo rever e resignificar os eventos de sua vida, possibilitando uma gestão diferenciada e criativa da sua vida.
  1. A compreensão da biografia individual potencializa competências e habilidades.
7. SALUTOGÊNESE:  é uma nova diretriz em saúde. Trata-se de uma combinação de suportes físicos, socioeducativos, ambientais, emocionais e espirituais que permitem ao indivíduo manter a função da saúde em oposição ao adoecimento, principalmente visando a gestão positiva do stress em sua vida.
  1. A atribuição de um significado coerente à própria vida gera saúde.
8. RESILIÊNCIA HUMANA: é a capacidade que o ser humano tem de, frente a uma situação de stress, exercer resistência a ele por meio de recursos próprios para o enfrentamento daquela situação agressora e recuperar-se  (coping) com êxito  desta situação desafiadora.
  1. Resiliente é aquele que faz uso do senso de coerência.
9. EPIGENÉTICA: é a ciência que investiga como os genes se expressam na biologia humana (do grego epi= acima e gene). Desde o projeto Genoma, cientistas se convenceram que, mais importante que conhecer o gene, é saber como eles estão sendo modulado pelo ambiente (epigenética).  O que sentimos, como fomos educados, onde moramos, o que comemos, nossas memórias, por exemplo, são fatores cruciais para êxito na saúde. E são reversíveis.
10.  Cada ser humano tem sua signatura e vai expressá-la de maneira distinta.
11. NOÉTICA: é um conceito filosófico que estuda a dimensão espiritual do homem. É a relação da consciência de si próprio com a compreensão do mundo sem o uso da racionalidade. É a experiência fenomenológica, única, pessoal e intransferível que conhecemos como intuição. Entendemos que agir com noética é fazer escolhas baseadas em metas e objetivos que promovam o desenvolvimento individual alinhados ao Bem comum.
12.  Exercitar a espiritualidade é agir segundo a ética pessoal, em comunhão.
13. IMUNOLOGIA SOCIAL: é uma área de investigação científica inaugurada pelo Prof. Dr. Rubens Bollos. É a capacidade pessoal de identificar quais as formas de convivência são mais saudáveis em detrimento das que são doentes. Cada individualidade humana tem seu próprio sistema imunológico, que nos reconhece como seres únicos e nos defende contra tudo o que nosso corpo considera “estranho” e “perigoso” para a manutenção da nossa vida.
14.  Nunca tolere o que é hostil e perigoso.
15. MEDIAÇÃO SOCIAL é uma ferramenta que possibilita a reinserção no meio social daquele indivíduo que está excluído socialmente, seja por uma doença ou uma condição de restrição temporária. Ao se perceber como parte de um todo, reaprende a se relacionar com o outro e nos ambientes em que vive.
16.  Buscar o encontro com o outro a partir da compreensão de si mesmo é o caminho para a cura da dor humana.
17. ANDRAGOGIA SOCIAL: é a educação de adultos que possibilita o aprimoramento de conhecimentos, valores, atitudes e habilidades. Visa oferecer ao indivíduo novas referências para a resolução de crises, promovendo atitudes diferenciadas, criativas e libertadoras.
18.  A educação continuada e liberdade para fazer escolhas promovem saúde.